Funk: Amor e Ódio

Quem gosta, desce até o chão; quem não gosta, torce o nariz até não poder mais. Porém, uma coisa é fato: não tem como ficar indiferente ao funk, ritmo musical que é polêmico por si só.

No Rio de Janeiro, o funk é classificado como movimento cultural e musical de caráter popular. Gostando ou não, a batida cresce a olhos vistos também fora dos limites cariocas.  Na periferia paulistana, tá virando febre. Manos e Minas saiu a campo pra investigar o assunto e ajudar a entender porquê tanta gente tá curtindo esse som. Na plateia, o debate pegou fogo!!!

Deu curiosidade? Então confira o resultado no programa deste sábado, dia 24, às 19h na TV Cultura.

People Under The Stairs no Manos e Minas!

peopleunderthestairsmanoseminas

 

Na próxima segunda, dia 26 de outubro, a banda de hip hop americana PEOPLE UNDER THE STAIRS vai se apresentar no nosso programa!! Vindo diretamente de Los Angeles, a dupla encerra a sua turnê brasileira no placo do Manos e Minas!

Também conhecido como PUTS, a dupla foi formada em 1998 e já tem sete discos gravados.

A gravação vai rolar no teatro Franco Zampari à partir das 16hs. Quer participar da plateia e curtir o som dos caras? Então mande um email com o seu nome completo e RG para: manoseminasplateia@tvcultura.com.br

Periferia também faz parte do ano da França no Brasil

A cultura da periferia tá conquistando cada vez mais espaço, prova do talento e da capacidade dos artistas e dos coletivos artísticos que lá estão. Mais uma prova disso é que a cultura periférica também tá fazendo parte dos eventos que comemoram o 2009 como ano da França no Brasil.

Rolou um intercâmbio bem bacana entre grafiteiros, cineastas e rappers que vivem na periferia de Paris com artistas que batalham no Capão Redondo, zona sul de SP.  O mais legal foi perceber que os dois países têm muito mais em comum do que a gente poderia imaginar. Pra começo de conversa, muita gente achava que uma cidade como Paris nem quebrada tinha!!  Quer saber mais? Então se liga no Manos e Minas deste sábado, dia 10.

E tem mais: se o cinema não chega na periferia a periferia faz seu próprio cinema: no campinho, na escada, na laje, não importa.  O lance é fazer com que a comunidade tenha acesso a chamada sétima arte. Conheça a rota do cinema alternativo na matéria que também vai ao ar nesse sábado.

E pra galera curtir, o rap do Função RHK.